Meu jogo inesquecível

26/07/2011 10h25 - Atualizado em 23/08/2011 17h50

Meu Jogo Inesquecível: a primeira 
vez de Ted Boy Marino no Maracanã

Aos 72 anos, ídolo do Telecatch relembra o dia em que se apaixonou pelo Flu

Por Bernardo Pombo Rio de Janeiro

Ao deixar a Itália arrasada pela Segunda Guerra ainda garoto, Ted Boy Marino não imaginava que teria tantas emoções pela frente. Depois de três semanas num navio lotado, desembarcou na Argentina para recomeçar a vida sofrida que tinha na Europa e demorou um certo tempo até usar o primeiro sapato. Alguns anos se passaram, e o jovem com rosto de galã chegou ao Brasil com a roupa do corpo. A batalha por dias melhores continuava, mas tudo começou a mudar quando foi levado ao Maracanã pela primeira vez e viu aquela festa tricolor. Lembrou da bandeira da Itália e se emocionou ao bater o pé e cravar o novo time do coração: o Fluminense.

ted boy marino fluminense especial (Foto: Bernardo Pombo/Globoesporte.com)

Ted Boy Marino, ex-lutador de Telecatch, é torcedor do Flu (Foto: Bernardo Pombo/Globoesporte.com)

 

Maior nome do Telecatch brasileiro, luta livre que mistura combate e teatro, Ted Boy Marino gravou seu nome na história da televisão, chegando a gravar cinco programas por semana na TV Globo, onde foi, no final da década de 1960, o artista com maior número de cartas recebidas. Hoje, aos 72 anos, curte a aposentadoria observando o mar do alto do seu apartamento no Leme, na zona sul do Rio de Janeiro, conquistado com muito trabalho.

- Cheguei ao Brasil sem dinheiro, apenas com a roupa do corpo. As coisas foram acontecendo e consegui vencer na vida. Formar meus três filhos é minha maior conquista - afirmou Ted Boy, nome conhecido principalmente pelos brasileiros com mais de 30 anos.
As lutas do Telecatch tinham como pré-requisito grande preparo físico, e Marino treinava até oito horas por dia para aplicar os seus mais famosos golpes: um deles era o salto que dava quase do meio do ringue para fora, 'pousando' com as duas mãos no adversário e depois jogando o rival para a lona novamente. A tesoura de costas também levava o público ao delírio.
 
Ted Boy Marino, ex-lutador de Telecatch e torcedor do Fluminense (Foto: Bernardo Pombo / Globoesporte.com)
A capa de revista que traz mais alegria a Marino (Foto: Arquivo pessoal)
 
- A nossa luta era circo, palhaçada. Mas todos batiam forte. A diferença é que a gente sabia bater e cair para não se machucar. Mesmo assim, toda semana havia dois ou três na clínica do Lídio Toledo (médico que trabalhou na Seleção Brasileira) com alguma lesão no joelho, coluna, tornozelo....
Ted Boy trata a própria história como um tesouro guardado na lembrança e nas paredes de casa. Entre as muitas capas de revista, uma se destaca e ainda o emociona. O ex-lutador aparece ao lado de Pelé e Éder Jofre como 'os três maiores atletas do Brasil'.
- O que eu quero mais da vida? Ficar ao lado de Pelé e Éder Jofre como uma referência do esporte foi um motivo de muito orgulho.
Diante de tanta emoção e amor pelos filhos, Marino reserva um espaço no coração para o Fluminense, clube que adotou ainda jovem e hoje segue como um dos motivos de alegria.
- Não vou ao Maracanã há muito tempo porque tem muita confusão. Mas tive grandes momentos como torcedor e vibrei bastante no último título brasileiro - lembra, vestido com a camisa tricolor.

Ted Boy Marino, ex-lutador de Telecatch e torcedor do Fluminense (Foto: Bernardo Pombo / Globoesporte.com)

Ted Boy Marino foi a estrela do Telecatch brasileiro (Foto: Arquivo pessoal)

 

O jogo inesquecível é a primeira vez que foi ao estádio. O Fluminense de Samarone enfrentaria o Flamengo de Fio na decisão da Taça Guanabara de 1966. (Confira como foi o jogo no Baú do Esporte, no vídeo abaixo)
- Quem me carregou foi o Teti Afonso (idealizador do Telecatch no Brasil), meu ex-sogro que é torcedor do Fluminense, junto com três flamenguistas: o Walter Clark (ex-diretor da TV Globo), Renato Pacote (ex-diretor de TV Globo) e Boni (ex-diretor da TV Tupi). Não tinha lugar para nós ficarmos de tanta gente que havia na tribuna de imprensa.
Ted disse que se apaixonou à primeira vista.
 

 

- Entrei no Maracanã e vi aquela festa linda. Olhei para um lado, aquela massa de rubro-negros. Olhei para o outro, aquele mar de tricolores com as cores da bandeira da Itália. Não pensei duas vezes e escolhi o Fluminense. Foi paixão imediata. Tentaram me expulsar de lá (ele não tinha credencial), mas meus amigos acabaram convencendo o segurança a me deixar. Fiquei sentado no chão vendo aquele show. O Fla-Flu é a coisa mais linda do esporte.

Futebol foi fundamental na carreira de Mario Marino

O que também contribuiu para o início do amor tricolor foi ver a volta olímpica daquele time, que venceu o Flamengo de Fio, Carlinhos e Almir Pernambuquinho por 3 a 1 com dois gols de Mário Tilico e um de Amoroso. O Tricolor, que jogava pelo empate e contava com outros grandes nomes como Lula, Samarone, Denílson e Altair, saiu na frente com Amoroso, de cabeça, aos 30 minutos do primeiro tempo. O time das Laranjeiras aumentou o placar aos 17, com Tilico, que aproveitou rebote do goleiro Valdomiro. A euforia era muito grande, mas esfriou um pouco com o gol de Silva pelo Flamengo, aos 25. No entanto, o tiro de misericórdia aconteceu aos 40 minutos, quando Tilico tabelou com Lula, fez o terceiro e explodiu a metade mais colorida do estádio.

O futebol, mesmo que indiretamente, foi decisivo na vida de Mario Marino. Quando morava em Buenos Aires, jogar bola na rua era o passatempo preferido. Mas ele era muito magro e tinha dificuldades para superar os adversários. Por isso, um dos colegas sugeriu que começasse a pegar peso. Foi o melhor conselho que recebeu na vida:

"Entrei no Maracanã e vi aquela festa linda. Olhei para um lado, a massa de rubro-negros. Olhei para o outro, o mar de tricolores com as cores da bandeira da Itália. Não pensei duas vezes e escolhi o Fluminense. Foi paixão imediata"

Ted Boy Marino

- Na Itália, a gente jogava com uma bola feita com a meia das irmãs. Eu jogava muito bem, mas era pequeno e magro. Apanhava demais. Quando fui para a Argentina, continuei magro e pequeno, apanhando do mesmo jeito. Até que um amigo meu me aconselhou a começar a levantar peso. Deu no que deu. Então devo a minha vida de atleta, um pouco, ao futebol.

Na Argentina, viveu grandes momentos como torcedor do Independiente, clube do qual era sócio-atleta. Em 1962, foi eleito o terceiro mais belo corpo de Buenos Aires num concurso de halterofilismo. Dois anos depois, o time de Avellaneda conquistaria a Libertadores, feito repetido em 1965.

Ted começou a lutar na Argentina e logo cedo se familiarizou com a televisão, participando de programas nos canais 9 e 12. No Brasil, gravou alguns filmes e séries com grandes jogadores. Com Zico, dividiu o cenário no filme 'Os Três Palhaços'. Com Pelé, contracenou em 'Os Trapalhões', mas ficou com uma tristeza.

Ted Boy Marino, ex-lutador de Telecatch e torcedor do Fluminense (Foto: Bernardo Pombo / Globoesporte.com)

Ted ao lado de Zico no intervalo de gravação (Foto: Arquivo pessoal)
 
- Acabei não conseguindo tirar uma foto ao lado do Pelé. Muita gente o cercava, era muito complicado.
No Telecacht, Marino, com cara de mocinho, enfrentava personagens como Rasputim, Mongol, Aquiles, Tigre Paraguaio, Verdugo e Múmia. A carreira fez o artista conhecer o Brasil de Norte a Sul, uma das suas maiores felicidades. Nascido na Itália, ele conta que somente uma vez ficou irritado com os brasileiros.
- Foi na final da Copa do Mundo de 1970. Poxa, o jogo já estava 3 a 1, não precisava daquele golaço do Carlos Alberto Torres  (a final terminou 4 a 1 para o Brasil).
Como numa tesoura de costas (foto abaixo), é preciso dedicação e talento para superar as dificuldades. Hoje, a hemodiálise quatro vezes por semana é a maior delas. O problema de saúde não estava nos planos, mas o ídolo de muitos brasileiros durante anos não reclama:
- Diante de tanta coisa boa na minha vida, algo tinha que dar errado.
Ted Boy Marino, ex-lutador de Telecatch e torcedor do Fluminense (Foto: Bernardo Pombo / Globoesporte.com)

Ted Boy Marino dá a famosa tesoura de costas (Foto: Arquivo pessoal)

Numa vida recheada de boas recordações, Ted Boy Marino faz questão de preservar a memória. O dia a dia tranquilo contrasta com a cansativa rotina de outrora. O menino que só começou a usar sapatos aos 12 anos respira a brisa do mar com a sensação de dever cumprido. Nos pensamentos, muita coisa se mistura. E a primeira vez no Maracanã ninguém esquece.

 

FLUMINENSE 3 X 1 FLAMENGO
Jorge Vitório, Oliveira, Caxias, Altair e Bauer; Denílson e Jardel; Amoroso, Samarone, Mário Tilico e Lula. Valdomiro, Murilo, Mario Braga, Ditão e Paulo Henrique; Carlinhos e Juarez;, Fio, Almir, Silva e Oswaldo.
Técnico: Tim. Técnico: Armando Renganeschi.
Local: Maracanã, Rio de Janeiro. Data: 08/09/1966. Competição: Final da Taça Guanabara de 1966. 
Árbitro: Aírton Vieira de Moraes. Renda: CR$ 101.154.810,00. Público:69.730 torcedores
Gols: Amoroso (Flu), aos 30min do primeiro tempo; Mário Tilico (Flu), aos 17min, Silva (Fla), aos 25, e Mário Tilico, aos 40min do segundo tempo.